CPV029 - A quase morte de Zé Malandro

E o Cachaça, Prosa & Viola de hoje será um pouco diferente, porque vou narrar um causo pra vocês, baseado no livro Contos de Enganar a Morte, escrito e ilustrado por Ricardo Azevedo, baseado nas narrativas populares recolhidas e recontadas por ele. O conto de hoje é A quase morte de Zé Malandro. Vai assuntando...


Ricardo Azevedo


Ricardo José Duff Azevedo é um escritor, ilustrador e pesquisador brasileiro. filho do também do autor de obras didáticas e pensador da geografia <Aroldo de Azevedo> e neto de Arnolfo Rodrigues de Azevedo, que foi senador por São Paulo e deputado nacional.

Nascimento: 3 de outubro de 1949 (idade 71 anos), São Paulo, São Paulo Formação: FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado Nome completo: Ricardo José Duff Azevedo Género literário: Literatura infantil Prêmios: Prêmio Jabuti de Livro Infantil Digital


Site: ricardoazevedo.com.br

Contos de Enganar a Morte


Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular.

No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:

Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).


Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém quer morrer e cada um inventa mil truques e ardis para dar um jeito de escapar do vulto de capa preta.

Durante a leitura, é possível encontrar diversas expressões metafóricas, que dão riqueza estética aos contos. “O tempo passava correndo feito um rio que ninguém vê”, ou “Mas o tempo é um trem que não sabe parar na estação”, ou ainda “A vida é uma roda que gira sem breque e nem eixo”.

Nesses enredos, destaca-se a figura de Zé Malandro, que gosta de passar a vida zanzando e jogando baralho do que arrumar um trabalho. Até que certo dia alguém bate na sua porta e então.... bom, o final dele só mesmo lendo para saber. A risada é garantida!

cpv-bg-004.png

QUER APOIAR?

A partir de R$1,99 você já pode apoiar!

É muito mais barato que uma dose de cachaça

no Botecão do Assis.

cartinhas

Elogios,

Sugestões, Críticas?

Envie uma cartinha 

telegram

Faça parte do nosso grupo de ouvintes no Telegram

SOCIAL

Siga, Curta, Comente e Compartilhe nossas postagens nas redes sociais

ITUNES

Deixe 5 Estrelas no iTunes e também um breve comentário

Audio.ad.png

Conectando as marcas com seus consumidores

através do poder do áudio digital.

Inscreva-se pra receber novidades

  • Facebook ícone social
  • Instagram
  • Twitter ícone social
  • YouTube

© 2020 Cachaça, Prosa & Viola

Taguatinga, Brasília, DF, Brasil

email: contato@cachacaprosaeviola.com.br