CPV031 - As Comitivas de Transporte de Boiada

No meio caipira, Comitiva é o termo utilizado para designar um time de peões responsáveis pelo transporte de boiadas entre um lugar e outro.

O maior movimento das comitivas passou a ser em direção à cidade paulista de Barretos, a partir do ano de 1.913, quando se instalou ali o primeiro frigorífico do Brasil. A Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos foi criada no ano de 1.956, inspirada nas comitivas e na figura do peão de boiadeiro.


As comitivas


As comitivas eram formadas por peões de boiadeiro que, montados preferencialmente em muares, embora também utilizassem cavalos, faziam o transporte do gado andando pelas estradas. Tinham como chefe o dono da comitiva, que nesse caso era chamado de comissário, ou alguém a mando do dono, que então seria chamado de capataz. O transporte de boiada andando pelas estradas, com essas características, era praticado nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Goiás, além do sul de Minas Gerais, incluindo o Triângulo Mineiro, e norte do Paraná. O ponteiro de boiada ia na frente do gado com o berrante, que ele tocava ora para acalmar, ora para estimular, os animais, e também para dar sinais aos demais peões. Os peões da culatra, como sugere o nome, vão na parte de trás tocando o gado para a frente. Em algumas comitivas, dependendo das circunstâncias, existia o peão da "culatra manca", que ficava para atrás acompanhando um animal fraco, doente ou ferido que, por andar muito devagar, poderia comprometer a marcha da boiada. E, por último, mas não menos importante, o cozinheiro, que era o encarregado de fazer a comida para todos os integrantes da comitiva.


Além dos animais arreados ia também a tropa solta, para fazer as substituições evitando sobrecarregar de trabalho só uma parte da tropa. O cavalo-madrinha, ou polaqueiro, geralmente um cavalo pequeno, servia de guia para a tropa solta e levava uma campainha, no caso o polaco, pendurado no pescoço.


Enquanto a tropa solta seguia junto ou logo à frente da boiada, o cozinheiro se adiantava com os cargueiros, onde levava os mantimentos e tralhas de cozinha, para encontrar um local adequado, geralmente à beira de um córrego, e preparar a refeição. Dos personagens do campo, dentre os quais os roceiros, os peões de fazenda, os domadores, os carreiros, os pirangueiros, e outros, o peão de boiadeiro era o que chamava mais a atenção por levar uma vida repleta de aventuras, sempre viajando grandes distâncias tocando as boiadas sobre a sua montaria. Por isso que as mais belas modas de viola, verdadeiras jóias do nosso cancioneiro caipira (campeiro), têm como tema o peão de boiadeiro.


O berrante


O berrante é uma espécie de buzina, feita de chifres de animais bovinos, unidos entre si por uma cola especial e/ou cravos. Tem uma ponta mais estreita, que é o bocal, contendo um pequeno orifício por onde o ponteiro assopra para produzir o som, que sai na outra extremidade do berrante, esta bem mais larga. Os toques de berrante utilizados no estradão são os seguintes:


Solta da boiada: toque sereno, destinado a despertar a boiada para iniciar a viagem.


Estradão: quando a boiada está cansada e encurta o passo e é preciso apressar os animais, é um toque repicado, semelhante ao som do soldado marchando.


Rebatedor: destinado a chamar um peão para a frente em caso de necessidade, como por exemplo numa encruzilhada, é um toque agudo semelhante ao som do clarim.


Queima do Alho: toque que anuncia a hora da refeição. Os peões rebatedores têm a função de evitar a dispersão do gado onde não há cerca ou, havendo cerca, haja uma abertura, e também nas encruzilhadas.


A queima do alho


A "queima do alho" é o preparo da comida dos peões de boiadeiro das comitivas de transporte de boiada. Quando os boiadeiros se aproximavam do local onde a comida estava sendo preparada, sentiam o forte cheiro do alho sendo frito na panela e exclamavam: "o cozinheiro já está queimando o alho", isto é, está cozinhando.

Daí surgiu a expressão que hoje dá nome ao famoso concurso de culinária que se realiza todo mês de agosto, na Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos, no Ponto de Pouso. A comida é feita em pequenos fogões dobráveis, chamados trempes, que viajam sobre os cargueiros. Os pratos são: arroz de carreteiro, feijão gordo, paçoca de carne e carne assada na chapa. Os usos e costumes, indumentária, terminologia e tralhas dos peões de boiadeiro variam no tempo e no espaço, o que deve ser levado em consideração no julgamento, porém é preciso que a queima do alho seja feita no contexto histórico objetivado no concurso, ou seja, como faziam os cozinheiros das comitivas de transporte de boiada de antigamente. Por isso é que não se pode usar panela de pressão, utensílios de louça, plástico ou vidro, e outras coisas incompatíveis com a finalidade do concurso.



A Indumentária


A indumentária do peão de boiadeiro compreende, basicamente, as seguintes peças: chapéu aba larga, lenço no pescoço, camisa de manga comprida, calça (não pode ser apertada) ou bombacha, cinto, guaiaca e botas. Não é demais lembrar que peão de boiadeiro jamais usou uniforme e quem usa calça jeans e bota texana é cowboy.

Antigamente, a indumentária do peão de boiadeiro, bem como a sua tralha de arreio, não eram muito diferentes daquelas usadas pelos demais campeiros e mesmo por pessoas que moravam nas pequenas cidades do interior, lembrando que pouquíssimas pessoas podiam ter um automóvel, de modo que quase todo mundo andava a cavalo. Então, podemos dizer que, naquela época, um peão de boiadeiro, um lavrador, um fazendeiro ou mesmo um comerciante, se vestiam e usavam tralhas de arreio do mesmo estilo. Lembremos que a guaiaca, por exemplo, servia para guardar e transportar dinheiro, de modo que também um lavrador, um fazendeiro ou um comerciante, poderiam usá-la, e não somente o peão de boiadeiro. Com o arrefecimento da atividade de transporte de boiada no estradão e com a evolução dos usos e costumes e dos trajes, os peões de boiadeiro passaram a usar uma indumentária no trabalho e outra quando estavam na cidade. Podemos imaginar um jovem peão de boiadeiro de Barretos, do começo dos anos setenta, que está de folga no fim de semana e sai para passear. Ele vai vestir a sua calça "boca de sino" xadrez, camisa de manga comprida agarrada, colarinho enorme e pontudo e calçar sapato de plataforma (num ri, não, que era assim mesmo). Se o pai liberasse o fusca, então, estava perfeito. Quando chegava na praça ele fazia o fusca "cantá os pneu" pra chamá a atenção das moças. Diferente se fosse, por exemplo, nos anos quarenta, pois nesse caso o rapaz sairia a passeio no mesmo traje do trabalho, limpo é claro (precisa explicar, senão...), montado na sua mula traiada. Quando chegava na praça ele cutucava a mula na espora para fazer a mula pular e chamá a atenção das moças. Nos anos sessenta chegou a calça "Lee", a primeira calça jeans, e outras modelo "rancheira", com bolsos costurados para fora e presos por rebites. Chegou também a influência "country" e o resultado se vê aí nas ruas da cidade e também no campo.





Declínio da Profissão


A atividade de transporte de boiada por terra, via estradão, no Estado de São Paulo, rumo a Barretos, começou no início do século XX, e terminou no ano de 1986, quando a comitiva do comissário Wilson Pimentel transportou a última boiada pelo estradão até Barreros.


Porém, já nos anos cinquenta, essa atividade iniciou um lento, gradual, porém inexorável declínio que durou, como se conclui, cerca de trinta anos. E isso se deveu a vários fatores, dentre os quais podemos destacar a chegada da estrada de ferro ao Rio Paraná, quando algumas boiadas passaram a ser embarcadas no trem para chegar aos abatedouros. Além disso, as estradas, ainda que não totalmente asfaltadas, melhoraram bastante facilitando o uso dos caminhões gaiola para o transporte do gado.

Agradecimentos Especiais


Deixo aqui meus sinceros agradecimentos a todas as Comitivas de Transporte de Boiada, em especial à Comitiva Boi Soberando, na pessoa de seu comissário, o Senhor Aguinaldo José de Góes, por manter viva a história e a tradição de nossa cultura caipira.


Comitiva Boi Soberano

COMITIVA BOI SOBERANO - recordando o transporte elegante das boiadas - revivendo os costumes dos nossos antepassados - valorizando as manifestações culturais do homem do campo (moda de viola, dança do catira, Folia de Reis e festa de São João)


Para saber mais sobre a história das comitivas paulistas de transporte de boiada da primeira metade do século XX, acesse: www.comitivaboisoberano.com.br | Fabebook


cpv-bg-004.png

QUER APOIAR?

A partir de R$1,99 você já pode apoiar!

É muito mais barato que uma dose de cachaça

no Botecão do Assis.

cartinhas

Elogios,

Sugestões, Críticas?

Envie uma cartinha 

telegram

Faça parte do nosso grupo de ouvintes no Telegram

SOCIAL

Siga, Curta, Comente e Compartilhe nossas postagens nas redes sociais

ITUNES

Deixe 5 Estrelas no iTunes e também um breve comentário

Audio.ad.png

Conectando as marcas com seus consumidores

através do poder do áudio digital.

Inscreva-se pra receber novidades

  • Facebook ícone social
  • Instagram
  • Twitter ícone social
  • YouTube

© 2020 Cachaça, Prosa & Viola

Taguatinga, Brasília, DF, Brasil

email: contato@cachacaprosaeviola.com.br